Início Cidade e Região Trânsito de Londrina tem menor número de mortes desde 2014

Trânsito de Londrina tem menor número de mortes desde 2014

263
0
COMPARTILHAR

Londrina registrou queda de 25% no número de mortes no trânsito entre janeiro e julho de 2019 ante o mesmo período do ano passado. Foram 43 óbitos contra 57, o menor índice apurado desde o início da série histórica, em 2014. Quando a Companhia Municipal de Trânsito e Urbanização (CMTU) passou a reunir dados do Siate, Instituto Médico-Legal (IML) e Polícia Civil para a elaboração do Placar do Trânsito, os primeiros sete meses do ano contabilizaram 60 casos, marca que se repetiu em 2015 e caiu para 57 nos três anos posteriores.

Se analisadas isoladamente, as mortes de pedestres e motociclistas também apresentaram queda entre 2019 e 2018. Os registros de mortes de pedestres foram reduzidos pela metade, de 16 para 8, enquanto, no segundo grupo, foram 22 ocorrências contra 26. Entre as vítimas fatais, 35 eram homens e 11 tinham mais de 60 anos (19 deles estavam na faixa etária entre os 31 e 59 anos). Trinta e uma pessoas morreram no local do acidente, instantaneamente, e seis vieram a óbito nas primeiras 24h depois após o acidente. Outras seis vítimas morreram nos dias seguintes ao acidente.

O levantamento aponta crescimento do número de acidentes e de vítimas não fatais. Foram 2.110 ocorrências com 2.527 pessoas envolvidas em 2019, ao passo que 2018 registrou 2.009 incidentes e 2.350 feridos. Na avaliação do diretor de Trânsito da CMTU, major Sérgio Dalbem, o recuo nas mortes e aumento na quantidade de eventos pode ser atribuído a diversos fatores. Um deles tem a ver com a expansão da frota da cidade. “Mais veículos nas ruas significa mais acidentes. No entanto, são episódios com menor gravidade, já que a lotação das vias torna o fluxo mais lento e, consequentemente, menos nocivo”, analisou.

Perfil das vias e das infrações – No ranking das vias mais violentas no município, a PR-445 aparece em primeiro lugar, com 10 episódios fatais. Em seguida vem a BR-369, com sete, e as avenidas Saul Elkind, Henrique Mansano e Maringá, com uma ocorrência cada. No saldo geral, foram 34 mortes na área urbana e 9 no perímetro rural.

O levantamento da CMTU também revela que o excesso de velocidade segue como a infração mais cometida pelo motorista londrinense. Das 86.110 autuações registradas de janeiro a julho, 33.649 foram por desrespeito aos limites de velocidade.

Para conter a imprudência e diminuir a violência dos acidentes, a companhia ampliou recentemente o número de locais atendidos pela fiscalização eletrônica. No último dia 25, quatro novos radares passaram a operar nas regiões norte, oeste e central da cidade, elevando de 18 para 22 o número de pontos monitorados por aparelhos na cidade.

A implantação dos dispositivos foi precedida de intensa campanha de divulgação, mas, de acordo com Dalbem, nem isso foi suficiente para que os motoristas tirassem o pé do acelerador. “O índice de autuações por excesso de velocidade ainda é bastante alto, o que demonstra comportamentos reiterados de imprudência e desobediência por parte de alguns”, destacou.

Para garantir que o saldo de óbitos continue em queda, o diretor contou que a CMTU estuda estender o número de radares no município. A ideia é que, a partir do ano que vem, pelo menos 50 pontos contem com este tipo de fiscalização. “A letalidade no trânsito está diretamente relacionada à velocidade dos veículos, daí a importância em investir no controle do tráfego. Nosso objetivo maior é proteger a vida”, afirmou. (Fonte: Assessoria CMTU)

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, deixe o seu comentário!
Por favor entre com seu nome aqui